O Conto da Aia: A guerra declarada contra mulheres

803735336_65401_12462684283948717606

Uma inválida, que foi invalidada. Sem passaporte válido. Sem saída. 

Distopias são interpretações do mundo que vivemos, possibilidades – geralmente catastróficas – do futuro. Por isso, muitas vezes são interessantes meios de crítica social: o mundo distópico dificilmente está descolado do mundo real, é como se o autor colocasse uma lupa sobre aquilo que considera prejudicial na sociedade que vive. O Conto da Aia não é diferente, o mundo criado por Atwood tem similaridades apavorantes com a realidade que vivemos, ainda que tenha sido escrito há algumas décadas.

O livro é escrito em primeira pessoa e conta a história de Offred, ou um fragmento dela. Na realidade de Offred, após diversas crises que “ameaçavam” a existência americana – supostos ataques terroristas, desastres naturais e nucleares, novas cepas da sífilis, esterilidade epidêmica e, principalmente, o avanço dos direitos das mulheres -, os Estados Unidos sofreu um golpe de estado e instaurou-se Gilead, um Estado Teocrático Cristão, autoritário e rígido. A natalidade reduzida é usada para justificar uma série de medidas que subitamente anulam os direitos conquistados pelas mulheres até a década de 80, e dividem as mulheres em castas de acordo com suas capacidades reprodutivas. Frequentemente, durante o livro, o destino biológico, ou seja, a noção de que as mulheres são naturalmente destinadas aos papéis domésticos, é afirmado como uma benção, o único caminho possível para a redenção e manutenção da sociedade. Sob um rígido código moral, essas mulheres têm seus corpos controlados pelo Estado e pelos homens que as possuem. O nome verdadeiro de Offred não é revelado, uma vez designada a uma casa, assume o nome de seu senhor. Seu nome é, na verdade, uma expressão que atesta sua submissão: Offred vem de Of Fred, ou seja, do Fred.

Não acho que seja aleatório que o tema dos direitos das mulheres tenha um lugar tão importante em todo o decorrer do livro. O Movimento Feminista, que ganhou uma força cada vez maior a partir da década de 60, havia provocado mudanças profundas na forma que mulheres e homens viviam e se relacionavam. Em pouco tempo, vimos mulheres obtendo o voto, ocupando vagas em universidades, participando de manifestações e movimentos políticos e discutindo questões tabus como sexualidade e direitos reprodutivos.

Continuar lendo “O Conto da Aia: A guerra declarada contra mulheres”

Black Mirror: o futuro através da tela negra

Passei muito tempo ouvindo falar da série Black Mirror, sem saber ao certo do que se tratava. Muita gente falava bem pra caramba, mas eu confesso que tinha um pouco de preguiça de procurar saber mais. Mas tudo mudou quando uma amiga definiu a série como: “uma ficção científica das humanas”, e como eu sou uma nerd de humanas assumida, corri pra ver. E não me arrependi.

A série é considerada uma ficção cientifica soft, sub genêro da ficção científica onde a narrativa gira em torno do desenvolvimento das relações humanas, entre si e com o meio ambiente, em vez de focar nos avanços tecnológicos. Esse gênero busca inspirações nas Ciências Humanas (consideradas, injustamente, ciências “soft”).  É claro que há aparelhos de tecnologia “avançada” em Black Mirror, mas eles não ganham muito destaque na narrativa e, em alguns episódios, o telefone ainda é o principal meio de comunicação e informação dos personagens. As semelhanças entre a tecnologia atual com a dos universos apresentados por Charlie Brooker fazem com que a gente tenha a impressão que essa projeção de futuro não seja tão distante de nós e tornam o enredo ainda mais crível.     Continuar lendo “Black Mirror: o futuro através da tela negra”

Star Wars: representatividade em uma galáxia muito muito distante

A estreia do novo filme da saga Star Wars “Episódio VII: O Despertar da Força” foi um dos grandes destaques cinematográficos dessa temporada. Dez anos após o lançamento do último filme (“Episódio III: A Vingança dos Sith”), era de se esperar que o sétimo filme fizesse um sucesso estrondoso, ao ponto de os produtores esperarem um retorno nas bilheterias melhor que “Avatar” de James Cameron (não conseguiu, mas foi quase) . Para além do entusiasmo e da expectativa dos fãs, um elemento que impulsionou o filme foi a discussão sobre representatividade e a infinidade de debates que surgiram em torno dos dois personagens principais escolhidos: Finn (John Boyega) e Rey (Daisy Ridley), um homem negro e uma mulher, respectivamente.

A notícia sobre quem seriam os protagonistas foi recebida com grande entusiasmo por uma parte dos fãs que esperavam que o novo filme trouxesse um elenco mais diversificado. Já outra a outra parte ofereceu resistência a aceitar os novos heróis.

Os ataques ao Finn vieram primeiro. Os fãs não se conformaram com um protagonista negro (como quando escalaram uma menina negra para representar a Rue em “Jogos Vorazes”, o que foi surpreendente, afinal, no livro, a menina é negra). Os mais alterados propuseram um boicote ao sétimo filme da franquia, alegando “genocídio branco” e “marxismo cultural”. São episódios como esse que explicitam como a comunidade nerd é muitas vezes preconceituosa e conservadora, apesar de reivindicarem pra si o status de párias sociais. Continuar lendo “Star Wars: representatividade em uma galáxia muito muito distante”