Mulher Maravilha: A expectativa que está roubando a cena de Batman vs Superman

wonder-woman-logo

Dizer que a Mulher Maravilha é um ícone é basicamente desnecessário; depois de mais de 70 anos acho que isso é bem óbvio. Desde seu surgimento no início da década de 1940 sua legião de fãs só aumentou (mesmo com as burradas da DC) e ainda que sua história tenha alcançado, por enquanto, menos mídias do que seus colegas Batman e Superman, a imagem da Wonder Woman extrapolou para muito além do universo dos quadrinhos.

Ela se mostra como um dos grandes símbolos do feminismo até mesmo (ou talvez principalmente) para aquelas que não conhecem toda a sua trajetória, que é cheia de controvérsias e retrocessos. E mais de uma vez a dificuldade de conciliar a imagem de uma mulher enquanto símbolo de poder com a de uma pessoa atolou o percurso da personagem, ao ponto de que só agora nossos sonhos de vê-la em um longa live action estão se concretizando, cercados de receios e expectativas.

Quando eu parei pela primeira vez para ler sobre seu surgimento, ela se revelou para mim como uma heroína desde sua concepção. O surgimento da Mulher Maravilha está ligado a uma defesa às críticas que os quadrinhos estavam sofrendo em 1940, acusado de usar exacerbadamente a violência, inclusive sexual, o que seria danoso para a formação das novas gerações. Maxwell Gaines, fundador da All American Comics, cria então um grupo de aconselhamento editorial para as histórias, que está diretamente ligado ao surgimento do selo DC, e para o qual foi convidado o psicólogo William Marston, figura complexa que irá criar a nossa querida princesa amazona. Para ele, estando as críticas ligadas diretamente à horrível e sangrenta masculinidade retratada nos quadrinhos, a melhor forma de se defender seria através de uma super-heroína¹. Continuar lendo “Mulher Maravilha: A expectativa que está roubando a cena de Batman vs Superman”

Anúncios

Deadpool: uma comédia-romântica disfarçada de filme de ação

Esse mês estreou o primeiro da série de filmes de super-heróis que estão prometidos para o ano de 2016, o famigerado Deadpool. Para a arrasadora maioria de nós, esse era um nome bizarro e que não dizia respeito a nada, mas existe uma verdadeira horda de fanáticos que vinha gastando muito tempo e energia tentando fazer esse sonho se tornar realidade. Se você acompanhou as pessoas que trabalharam no filme (atores, roteiristas, etc) deve ter percebido que para eles não era só um jeito de fazer muito dinheiro; era basicamente um monte de crianças que ganharam orçamento e liberdade para brincar com o brinquedo favorito.

Quando começaram a sair os materiais promocionais do filme, eu admito que uma das minhas sobrancelhas foi lá pro alto. Bateu aquele gelo na espinha de estarem fazendo o filme do “politicamente incorreto da Marvel”, e até certo ponto até acho que fizeram, mas não parece ser essa a proposta do Wade. A maioria das piadas é desvinculada de denegrir outras pessoas, mesmo com algumas que claramente foram além, e outras sobre as quais poderíamos debater o quão desnecessárias ou não elas foram. A priori, acho que a proposta do personagem é ser o agente de algo que me parece extremamente brasileiro: a zueira. Pessoalmente, acho que pra se analisar a zueira é preciso muita calma, com o material acessível para ser visto e revisto, debulhado, discutido e embasado; ou seja, enquanto filme estiver só no telão eu vou me privar de me aprofundar nessa questão.

De qualquer maneira, ainda não foram esses os detalhes que me fizeram ficar empolgada e decidir ir ver o filme. O que realmente fez minha atenção se voltar para ele foi a presença da atriz Morena Baccarin. Alguns talvez a tenham conhecido no seriado “V”, e pra outros ela pode só ter surgido agora, como Dra. Lee em “Gotham”, mas eu a acompanho desde o seriado de Joss Whedon “Firefly”. Quando eu soube que ela iria estar em Deadpool e que a sua personagem, pelo menos de acordo com os quadrinhos, era muito mais do que a namorada dele, eu comecei a dar uma chance e acumular expectativas para essa estreia. Expectativas dentro dos limites de: o filme não ser sobre ela e, bem, ser um filme de ação de Hollywood.

No final das contas, foi bem divertido de assistir. A maioria dos personagens são rasos, bem rasos mesmo, mas também não vamos ficar aqui fingindo que a Marvel super aprofunde seus personagens secundários nas telonas. Pra quem curte os quadrinhos, deve ter sido muito gostoso, já que algumas das figuras, como a Blind Al, são muito importantes e queridas no formato original. No entanto, a personagem acabou sendo usada em um “combo de minorias”: não é somente a única personagem negra no filme (e olha que a personagem no quadrinho é branca, o que nos faz pensar ainda mais em qual o nível de representação na obra), ela também é mulher, idosa e cega. Foi como se tivessem decidido representar todo mundo de uma vez, mais como uma obrigação do que um interesse real.

Continuar lendo “Deadpool: uma comédia-romântica disfarçada de filme de ação”

Shondaland: Sua loka, que que tá acontecendo?

No dia 11 desse mês aconteceu a volta da midseason da TGIT (Thank God It’s Thursday, ou, Graças à Deus é Quinta-Feira) bloco do canal da TV americana ABC dominado por série da produtora e roteirista Shonda Rhimes. Apesar de acompanhar as três séries ao mesmo tempo, essa foi a primeira vez que fiz isso junto com os EUA e mais um monte de gente ao redor do mundo que, conectados via streaming e sem legendas, nos juntamos em postagens de facebook e muito caps lock tentando entender e absorver todas aquelas emoções.

Para muita gente a sensação nos últimos dois anos é que esse nome, Shonda, veio diretamente do céu, aterrizando como uma bomba de grande alcance no território da cultura pop e televisiva norte-americana, com a fantástica How to Get Away With Murder, mas a diva que carrega esse nome vêm desfilando e abrindo seu caminho na direção do pódium há muito mais tempo que isso.

Vendo a biografia dela somos capazes de visualizar a escada rumo ao topo que foi se desenhando, uma evolução que aparece tanto na qualidade dos trabalhos de Rhimes, na sua escrita, na composição de seus personagens, como também no espaço e na influência midiática que esta escritora e produtora conquistou. Se você acha que é pouco ser dona do prime time do dia mais lucrativo da semana de uma emissora de TV pública americana, você não sabe o que é a guerra das televisão.

Shonda é conhecida pela diversidade de seu elenco, pela qual foi reconhecida com o prêmio Norman Lear de Achievement pelo Sindicato dos Produtores Americanos. No entanto a produtora não recebeu calada o prêmio:

Rhimes se esforçou para deixar claro que ela não tinha criado uma nova visão para a televisão, mas simplesmente insistiu em retratar o mundo como ela vê. “Não houve nada de inventivo e explosivo” diz Rhimes. “Não é inovador escrever o mundo como ele de fato é. Mulheres são inteligentes e fortes. Elas não são brinquedos sexuais ou donzelas em perigo. Pessoas de cor não são safadas ou perigosas ou sábias. E, acredite em mim, pessoas de cor nunca são os sidekicks de alguém na vida real”. (Tradução livre. Fonte: http://www.vulture.com/2016/01/shonda-rhimes-on-pga-award-i-deserve-this.html)

Não somente isso, mas Shonda também cobrou de outros produtores e diretores o esforço para esse tipo de resultado que, de acordo com ela, foi o suficiente para que ela conseguisse: tentar.

“Quando eu apareci, ninguém estava dizendo não. Eles estavam perfeitamente felizes em dizer sim. Vocês sabem qual era o problema? Eu não acho que alguém estava pedindo isso para ele. Eu acho que faz um longo tempo desde a última vez que alguém pediu ou sequer tentou. Talvez os criadores de conteúdo estivessem com medo, talvez eles estivessem se deparando com paredes de tijolos, talvez os espíritos deles houvessem sido esmagados. Talvez o privilégio deles tenha-os feito desatentos. Talvez. Mas para mim, eu só estava sendo normal” (Tradução livre. Fonte: http://www.vulture.com/2016/01/shonda-rhimes-on-pga-award-i-deserve-this.html)

De qualquer maneira, Rhimes preencheu a prime-time da ABC de protagonistas femininas fortes e cativantes, cada uma a sua própria maneira. E a sensação que a volta da midseason me deixou na boca é de que Shonda resolveu relembrar os espectadores que, por mais que hajam outras personagens e tramas em cada uma das sua séries super interessantes e complexos, são as suas meninas o centro daqueles mundos.
Continuar lendo “Shondaland: Sua loka, que que tá acontecendo?”